Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

aspalavrasnuncatedirei

Há palavras que nunca chegam ao destino...fazem uma longa e amarga travessia pela solidão dos sentidos e morrem na escrita destas crónicas.

aspalavrasnuncatedirei

Há palavras que nunca chegam ao destino...fazem uma longa e amarga travessia pela solidão dos sentidos e morrem na escrita destas crónicas.

Ensinaste-me a amar mas não te perdoo não me ensinares a esquecer-te

por aspalavrasnuncatedirei, em 29.12.15

03fecb88f767664ad0b21b5bb92b8e75-d7k4vi7.jpg

 

Dizem que o tempo cura tudo, mas será mesmo verdade? Quanto tempo terei ainda pela frente até te arrancar completamente de mim? Quantas noites me restam a adormecer nas nossas recordações? Quantos pesadelos terei de viver pelas madrugadas a atormentarem-me os sonhos? Quantos dias me restam a acordar no vazio da cama áspera e fria, outrora um ninho quente e que foi nossa?

 

Ensinaste-me a amar, mas não te perdoo não me ensinares a esquecer-te. Não te perdoo continuares a correr-me nas veias, mantendo-me um espetro vivo que divaga por estes dias sem fim, não te perdoo habitares no meu coração como um inquilino indesejado que não consigo desalojar, nem te perdoo o gosto doce que deixaste na minha boca quando levaste os teus beijos e jamais perdoarei o toque das tuas mãos que continuo a sentir na pele sempre que fecho os olhos.

 

E o tempo passa, os dias sucedem-se vazios, os ponteiros seguem a sua dança constante e o meu amor está cá… cristalizado… petrificado… impedindo-me de respirar uma vida nova, impossibilitando-me de voltar a amar, de voltar a sentir. Sabes, já não sinto nada…a chama da paixão em que ardi contigo deu lugar às cinzas, o brilho do meu olhar quando te via, deu lugar à opacidade que tornam todos os homens invisíveis à minha volta, as minhas mãos estão cada vez mais frias, incapazes de voltar a tocar alguém e a primavera em que o nosso amor floresceu deu lugar a um longo inverno. Até as palavras perdi, eu que tinha sempre o dom do verbo, eu que era sempre tão argumentativa, agora só comunico por monossílabos e digo muito mais vezes “Não” do que “Sim”…

 

Já não sei sonhar, já não sei acreditar, perdi a ingenuidade bem como a confiança e a fé nos outros. Arrasto-me neste sucedâneo de dias à espera que o tempo te apague verdadeiramente de mim.

 

Dizem que o tempo cura tudo, mas será verdade? 

 

11 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Favoritos