Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

aspalavrasnuncatedirei

Há palavras que nunca chegam ao destino...fazem uma longa e amarga travessia pela solidão dos sentidos e morrem na escrita destas crónicas.

aspalavrasnuncatedirei

Há palavras que nunca chegam ao destino...fazem uma longa e amarga travessia pela solidão dos sentidos e morrem na escrita destas crónicas.

Morte Lenta

por aspalavrasnuncatedirei, em 02.06.07

 

Imagem Retirada da Internet

  

A casa onde nasci, brinquei, cresci durante 25 anos, hoje foi fechada. Fechou-se a porta à chave, trancaram-se as janelas e adeus… até nunca mais. Nunca aquela casa me pareceu tão grande, nunca me pareceu tão vazia. Sentei-me no chão frio. A primeira recordação que me assaltou remonta aos meus três anos, ainda me lembro dos gritos dos meus pais naquela noite em que se separaram. Seguiram-se anos de crescimento feliz, mas apenas com a minha mãe. Não esqueci a solidão dos Natais, nem os dias de aniversário, pendurada na janela à espera que o meu pai se lembrasse que um dia, naquele dia, lhe nascera uma filha. Lembro-me dos primeiros trabalhos de casa, de aprender a fazer sopa, de namorar horas ao telefone, de passar tardes infinitas na varanda com a Dulce. Saí para a faculdade, regressando apenas aos fins-de-semana, regressei então, 4 anos depois, e aquela continuava a ser a minha casa, o melhor lugar do mundo. Saí definitivamente quando casei. Vestida de branco, de "véu e grinalda", bonita como provavelmente nunca mais voltei a ser, cheia de sonhos, cheia de expectativas. Durante 7 anos ali entrei para visitar e mimar a minha mãe, e para os almoços de Domingo. Os meus filhos nasceram, cresceram, e rapidamente descobriram o prazer daquele terraço, o mesmo onde aprendi a subir às árvores, aos telhados das capoeiras, a andar de bicicleta, a jogar à bola, como boa Maria-Rapaz que era. Quando a minha vida se virou de pernas para o ar, e quando a minha Casa de Bonecas se transformou na casa de Hansel e Grettel, agarrei nos meus filhos e fui para lá viver. A casa perdera o encanto, já não era um lar… era um abrigo, já não era um ninho, era um esconderijo, já não era a minha casa, era a casa da minha mãe. Lá dentro procurei reerguer a minha vida, encontrar-lhe um novo sentido…mas não fui capaz. Hoje tive que arrumar, encaixotar alguns objectos que pertenceram ao meu passado e que contribuíram para o que sou no presente. E chorei… chorei como há muito tempo não chorava, chorei por tudo o que ali vivi, por tudo o que estou a viver, e principalmente chorei com medo do que ainda tenho para viver. E ao trancar a porta, ao virar as costas, senti que hoje… morri mais um bocadinho.

 

18 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Favoritos