Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

aspalavrasnuncatedirei

Há palavras que nunca chegam ao destino...fazem uma longa e amarga travessia pela solidão dos sentidos e morrem na escrita destas crónicas.

aspalavrasnuncatedirei

Há palavras que nunca chegam ao destino...fazem uma longa e amarga travessia pela solidão dos sentidos e morrem na escrita destas crónicas.

Mulher de Folhos

por aspalavrasnuncatedirei, em 14.06.07

 

Imagem Retirada da Internet

 

Entro na sala de aula e volto a sentir o nervoso miudinho de um menino acabado de chegar à Escola pela primeira vez. Sento-me na última carteira para ver se ninguém dá pela minha presença. A lição já vai a meio e tu deslizas de um lado para o outro como uma fada de giz na mão a fazer de varinha de condão. Tentas captar em ti a atenção dos alunos. Ensinas-lhes poesia. Tu és poesia. Em ti leio os mais belos versos de amor. Dizes qualquer coisa sobre um escritor, acho que se chama Cesário Verde. Não percebo bem o que dizes, não consigo estar atento. Distrais-me. Distraio-me com os teus movimentos, com o som da tua voz, com o teu sorriso. De repente, dizes algo com que me identifico e prendes a minha atenção nas pestanas do teu olhar. Explicas que Cesário foi um poeta que sofreu na pele o desprezo feminino. A mulher citadina pavoneava-se à frente dele, bela, distante, perfumada e inacessível. Ensinas que o referido senhor suspira por uma mulher de classe alta que passeia à sua frente, cheia de folhos, que o despreza por trabalhar numa loja de ferragens e não ter ‘sangue azul’ para estar ao seu lado. Também eu, um dia, há muito tempo, olhei para ti como a mulher de folhos… inalcançável… que flutuava sedutora à minha frente. Nunca acreditei que um dia te iria despir esses folhos. Nunca imaginei que um dia te poderia ter. Olho à minha volta e vejo outros meninos/homens que trocam sorrisos cúmplices, matreiros. Leio nos olhos deles o que um dia espelhei nos meus. Também tu, hoje, és para eles, a mulher de folhos que desejam. Ecoa o som da campainha, ouve-se um frenesim de cadeiras e mochilas. O meu coração volta a bater descompassado. Aproximo-me de ti, beijo-te levemente os lábios. Saio da sala contigo de mãos dadas. De dedos entrelaçados. Quero mostrar a estes meninos/homens que és minha. Que és a minha mulher de folhos.

  

 

46 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Favoritos