Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

aspalavrasnuncatedirei

Há palavras que nunca chegam ao destino...fazem uma longa e amarga travessia pela solidão dos sentidos e morrem na escrita destas crónicas.

aspalavrasnuncatedirei

Há palavras que nunca chegam ao destino...fazem uma longa e amarga travessia pela solidão dos sentidos e morrem na escrita destas crónicas.

Dia da Mãe

por aspalavrasnuncatedirei, em 06.05.07

  

Imagem retirada da Internet

   

 

Esta crónica de Margarida Rebelo Pinto, que vos transcrevo seguidamente,  traduz, na perfeição, aquilo que senti quando o Universo me presenteou com a dádiva da maternidade. Como adoro falar por metáforas, e nunca ninguém me entende, achei que só a Margarida soube exprimir, palavra a palavra, ideia a ideia tudo aquilo que vivenciei, e ao terminar a leitura desta crónica achei que tinha sido escrita direitinha para mim. Só quem é Mãe entende esta linguagem metafórica, só quem é Mãe percebe a dor de amar um filho, só quem é Mãe sabe que todos os sacrifícios valerão a pena, porque não são sacrifícios, são dádivas de amor. E quando o vento Norte chegar e levar os meus filhos para o Voo da Vida, espero que o façam com asas de Condor, sabendo à partida que o meu colo estará disponível para eles, que os meus braços serão sempre um porto seguro e que o meu amor é eterno... Mas se o vento os levar para longe do meu regaço também ficarei feliz, é sinal que o voo lhes corre de feição e não precisam de beber em mim a energia para continuar a voar. No entanto, o Pedro e o João são, e serão sempre, o vento sobre as minhas asas e são eles que me fazem voar, mesmo nas condições mais difíceis.  Por tudo isto escolhi "Wind Beneath My Wings" de Bette Midler, uma música lindíssima, para musicar este post. Deixo aqui um beijo especial para quem é mãe... em especial para a minha.

 

 

       

imagemmae01.jpg

 Imagem Retirada da Internet

 

           «Primeiro ouvi-lhe o som, tão doce e perfeito que nenhuma onomatopeia pode exprimir. Um murmurar suave e carente, entrecortado e sem ritmo que a pouco se transformou em choro de fúria e contestação. À minha volta os mágicos e as fadas circulavam forrados de amarelo com toucas e máscaras, luvas e tudo, numa sinfonia de gestos e palavras. E eu a ouvir tudo. Mesmo ao meu lado, de mão dada comigo estava a minha fada preferida que me explicava tintim por tintim o que se estava a passar. Foi então que o ouvi, nesse choro doce e quase imperceptível.

As lágrimas começaram a escorrer-me pelas fontes abaixo até me entupirem os ouvidos, as melhores e mais deliciosas lágrimas que alguma vez eu sentira. O meu coração duplicou de tamanho, vi o futuro num instante e pensei: isto não pode ser verdade, é impossível sentir tanta paz, tanta serenidade. De repente eu já não tinha ossos nem cartilagem, era toda feita de mel. Do peito escorria-me o amor, a cabeça fervilhava de ideias, a alma consumia-se na mais deliciosa das paixões.

Foi então que o vi. Besuntado em óleos celestiais que só o organismo conhece e fabrica, para o proteger do mundo. A cabeça redonda, os olhos colados e a boca em acção, a chorar.

            Olhei-o de perto. Pousaram-no sobre o meu peito e ele de imediato sossegou. Depois levaram-no e eu fiquei mais acompanhada do que nunca com a imagem dele, que enchia os meus olhos, o meu coração e a minha nova alma de mãe. Senti-me abençoada. A sala de operações parecia o céu, cheia de anjos mascarados e fadas disfarçadas.

            Finalmente, depois de tantos meses de enjoos, cansaço e peso ele tinha chegado. Uma pessoa inteirinha feita de nós. Abanei a cabeça com pena de mim mesma por me ter consumido em problemas que afinal não tinham a menor importância. O fundamental estava ali. Ao meu peito. A beber o meu leite. A alimentar a minha vida.

            Há uma nova atmosfera aqui. Já não se respira ar, só amor. E quando ele acorda e abre os olhos à procura da sombra que eu ainda sou, conto-lhe histórias que não conheço, porque agora eu também já não me conheço, sou mais, muito mais do que fui. Sou Mãe. E não há nada no mundo melhor. Só ser Pai»

 

As Crónicas de Margarida, Margarida Rebelo Pinto

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Favoritos