Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

aspalavrasnuncatedirei

Há palavras que nunca chegam ao destino...fazem uma longa e amarga travessia pela solidão dos sentidos e morrem na escrita destas crónicas.

aspalavrasnuncatedirei

Há palavras que nunca chegam ao destino...fazem uma longa e amarga travessia pela solidão dos sentidos e morrem na escrita destas crónicas.

Os Homens Também Sofrem por Amor…

por aspalavrasnuncatedirei, em 12.02.07

 

 Sim... acho que sim... que sofrem, pelo menos alguns. Pablo Neruda sofreu. Mas esse não conta, era poeta, e os poetas sabem amar e sofrer por amor como ninguém, porque o fazem através da poesia e isso permite-lhes esconderem-se através de meias palavras, meias verdades, escudam-se nas metáforas, nas hipérboles, dão o dito pelo não dito.

Mas a minha questão é: Como sofrem os Homens? Como exteriorizam a sua dor? Gostava de poder entrar dentro deles, conhecer os seus recantos mais profundos, conhecer aquele lado sensível que jamais desocultam, que guardam só para eles ....

 

O que sentem eles quando perdem quem amam? Como manifestam a sua tristeza? Será que ouvem aquele CD? Que passam naquela rua? Como afastam eles os fantasmas da insónia? Será que fecham os olhos para nos ver, para sentir o nosso perfume, será que lutam por nós com todas as armas que têm? Ou será que simplesmente se escudam através do orgulho e dizem «Não faz mal, ela até nem não fazia o meu género e eu até nem estava muito arrebatado… e procuram noutros braços, noutro perfume, a cura para a sua ressaca.

 

Seja como for, podemos ficar com a ilusão de que há Homens, como Pablo Neruda, que sofrem, que amam e que recordam que numa noite de Verão nos tiveram nos braços, que nos beijaram e nos amaram…

 

Posso escrever os versos mais tristes   esta noite.

Escrever, por exemplo:

"A noite está estrelada, e tiritam, azuis os astros, ao  longe".

O vento da noite gira no céu e canta,

Posso escrever os versos mais tristes esta noite,

Eu a amei, e às vezes ela também me amou

Em noites como esta eu a tive entre meus braços

Beijei-a tantas vezes sob o céu infinito

Ela me amou, e às vezes eu também a amava

Como não ter amado seus grandes olhos fixos?

Posso escrever os versos mais tristes esta noite,

Pensar que não a tenho. Sentir que a perdi,

Ouvir a noite imensa, mais imensa sem ela.

E o verso cai na alma como o pasto no orvalho

Que importa que meu amor não pudesse guardá-la,

A noite está estrelada e ela não está comigo,

Isso é tudo.

Pablo Neruda

 

28 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Favoritos